Infinitivos diários

Acordar, espichar, protelar, levantar, calçar, escovar, despir, banhar, escolher, vestir, espalhar; aquecer, esperar, dissolver, sorver, deglutir, relembrar; ir, conduzir, correr, colidir, ponderar, explodir, pedir, devolver, querer, calar, receber, entregar, aprender, explicar, ouvir, discordar, divergir, revidar, temer, enfrentar, estremecer, perder, recobrar, sorrir, cantarolar, expor, disfarçar, comer, devorar, exprimir, extrapolar, convergir; retornar, relembrar, mastigar, digerir, descalçar, despir, banhar, escovar, recolher, relutar, encolher, adormecer, sonhar…

 

Se nada der certo…

Tenho notado, em minhas aulas, que a ideia do que é ser “bem sucedido”, entre adolescentes das escolas públicas em que leciono, se distancia das profissões geralmente exercidas por seus pais. Ser cozinheira, zelador, porteiro, motorista de ônibus, etc, são exemplos de atividades que, ao ser sugeridas, são acompanhadas de risinhos constrangidos. Infelizmente, essa visão é reforçada por alguns professores. É preciso se formar, ter diploma, ter uma boa profissão. E uma boa profissão, nesse caso, implica pouco suor, nenhum calo nas mãos e algum status social. Ah, sim, boa remuneração e oportunidade de “crescer”. Aliás, não por acaso, nossos estudantes têm relegado a docência ao rol de profissões indesejáveis. Nós levamos trabalho pra casa, não temos a menor chance de enriquecer e há muito tempo deixamos de ser uma classe profissional valorizada. Mas, afinal, o que significa ser bem sucedido, dar certo? É chover no molhado dizer que vivemos em uma sociedade em que se valoriza mais o ter do que o ser! Há quem diga não aguentar mais falar de luta de classes. Mas o tema ainda gera questionamentos interessantes. É o que mostra a repercussão nas redes sociais da carta do filho de um porteiro em resposta a estudantes de um colégio particular que promoveram uma festa com o tema “Se nada der certo”, em que alunos do terceiro ano do ensino médio comparecem fantasiados de faxineiros, porteiros e demais profissões consideradas “indesejadas”.

Pode-se levar em conta o senso de humor, mas não se pode esquecer que nossas piadas costumam revelar muito da nossa visão de mundo.

Segue a carta, para sua apreciação:

Meu pai aposentou-se como porteiro. O mesmo que vocês têm aí na entrada do Colégio, que os pais “que deram certo” passam e nem cumprimentam.
Então, falando do meu pai, ele trabalhava feito um condenado (aliás, mesmo depois que se aposentou teve que voltar à portaria pra completar a renda). O que meu pai recebia de salário era uma mensalidade que as famílias “que deram certo” pagam pra vocês ensinarem essa ética (ou falta dela) aos estudantes.
Ele tinha uma Barra forte preta e com ela ia de sol a sol, chuva a chuva, noite a noite, cuidar de fábricas ou de condomínios ao estilo que os alunos moram ou que os pais “que deram certo” trabalham como Diretores, Gerentes.
Aprendi a profissão com meu pai. Fui porteiro por anos. Vi o que é você comer em pé ou no banheiro porque não tem ninguém pra substituí-lo nos intervalos. Cansei de atender pessoas na guarita enquanto mastigava um ovo frio.
Já usei papelão como mesa em cima da privada para almoçar.
Colégio Marista, meu pai não deu certo. Criou três filhos junto com a minha mãe que ficava apreensiva em casa: -” Será que ele volta?” Porque meu pai pegava estradas perigosas de madrugada, aliando-se ao fato de muitas vezes cuidar de galpões abandonados,que era alvo de bandidos.
Mas ele não deu certo.
Conseguiu sustentar 3 filhos (e minha mãe administrando como uma Economista) com pouco mais de um salário, hoje todos bem e com família, mas infelizmente ele não deu certo.
Meu pai não é desses pais bacanas que param aí na frente do Colégio, com Cherokees, Tucson, sorrindo pra quem convém e pisando nos descartáveis.
Meu pai tem um Palio que vive quebrando, e mesmo debilitado pela idade, levava todos os netos às escolas públicas. Levava e buscava.
Mas, que pena! Meu pai não deu certo.
Quem deram certo foram essas famílias que dependem da faxineira, do porteiro, do zelador, da cantineira, do gari, da empregada doméstica. Eles deram certo!
Ainda bem que muita gente “dá errado” na vida, senão quem iria preparar o lanche dos filhos que vão para o Colégio Marista? O pai? A mãe? Não sabem nem como ligar um fogão! Mas deram certo, não é?
Fique um dia sem um gari na sua rua e no dia seguinte você já está ligando na prefeitura fazendo birra! Ué? Pega uma vassoura e varre! Você não “deu certo”?
Fique sem porteiro no condomínio e mundo para. Não sabem descer pra atender o motoboy? Tem medo de quem seja? Pode ser um ladrão, não é? Deixa que o porteiro arrisca (sem seguro de vida) a vida por você (com seguro de vida).
Gente que não deu certo existe pra isso: mimar os que deram certo.
Tenho orgulho de ter um pai que não deu certo, Colégio Marista. E eu tenho orgulho de não ter dado certo também. Já pensou, criar minha filha num ambiente que debocha de profissões, que em vez de promover a isonomia e empatia, fomenta a segregação e a eugenia?
Deus me livre!
Aliás, por falar em deus, vocês são de formação católica certo?
Se nada der certo, vocês vão virar carpinteiro também? Embora eu sendo agnóstico, respeito muito um carpinteiro que “não deu certo” e que vocês finjem amar. Que feio, Colégio! Ensinando crianças a desprezarem seu Mestre?
Enfim, falei demais. Obrigado pela lição de hoje. Talvez tenha sido o único ensinamento que vocês deixaram:
Se nada der certo, vou para o Colégio Marista. Lá pelo menos eu posso esconder meu ser vazio atrás de um patrimônio que consegui pisando nos outros. Viu, a lição de vocês acabou “dando certo”!

Criança não tem problemas

O menino entra ressabiado na sala da diretora da escola. Os dois se entreolham como quem diz: lá vamos nós, outra vez! A diretora interpela: “Você aqui de novo?! O que eu vou fazer com você?” Ele resmunga alguma coisa: “acho que eu tenho muito problema…” Ela suspira: “Que problema? Criança não tem problema! Criança só estuda… não tem conta pra pagar” Ele murmura, sem certeza: “acho que tô com depressão… sei lá…” “Como assim, depressão, menino? E essa, agora! Criança não tem depressão!” “Não sei… deve ser porque vi meu pai se matar… depois que a minha mãe fugiu com o vizinho…”

Eu voltei

E agora é pra ficar! Venho de esbarrão em esbarrão, ora retrocedendo, ora fincando pé… Definitivamente cansada de não dizer palavra a respeito… Tanta gente, de longe e de perto, me dizia, quando parei de escrever: vamos! fale, escreva! Aos poucos foram se cansando de me perguntar por onde eu andava… aos poucos, fui virando esquecimento… não tenho pudor em admitir: acho que era preguiça, mesmo, cansaço de mim; frescura, beicinho, pretensão… enfim, “a solidão é pretensão de quem fica escondido fazendo fita”!

Vocês ainda estão aí?

a moça errou a mão

Colunista de um site de notícias, sob a descrição “diz o que pensa”, a moça deve estar acostumada a ser mal compreendida. Afinal, para angariar inimigos, afirmou alguém, basta dizer o que se pensa. Foi o que ela (supostamente) fez, em tom jocoso (e aí é que o angu desandou):

Todo pobre tem problema de pressão. Seja real ou imaginário. É uma coisa impressionante. E todos têm fascinação por aferir [verificar] a pressão constantemente. Pobre desmaia em velório, tem queda ou pico de pressão. Em churrascos, não. Atualmente, com as facilidades que os planos de saúde oferecem, fazer exames tornou-se um programa sofisticado.

(…)

Como o hemograma completo exige jejum de 8 ou 12 horas, o pobre, sempre bem arrumado, chega bem cedo no laboratório, pega sua senha, já suando de emoção [uma mistura de medo e prazer, como se estivesse entrando pela primeira vez em um avião] e fica obcecado pelo lanchinho que o laboratório oferece gratuitamente depois da coleta. Deve ser o ambiente. Piso brilhante de porcelanato, ar condicionado, TV ligada na Globo, pessoas uniformizadas. O pobre provavelmente se sente em um cenário de novela.

O texto humorístico é traiçoeiro. A fronteira entre a gargalhada e o repúdio está ali, ali. E, nestes tempos em que a liberdade de se cuspir o caroço está na pauta das discussões mais acirradas, a moça se arriscou. A retratação, em forma de advertência, não sei se será convincente, mas faz pensar:

ATENÇÃO:

Humor cáustico perde a graça quando precisa ser explicado. Falhei. Poucos se divertiram e muitos se ofenderam. A intenção não era essa.

Que atire a primeira pedra quem nunca fez uma piada no tom ou no momento errado e ficou “com cara de cachorro que peidou na porta da igreja”. Expressão popular, aliás, de uma sapiência incrível: o problema do cachorro (aqui substituindo qualquer ser pensante que pudesse se ofender) é o local (pô, na porta da igreja?!) e não o ato em si. Estamos, talvez, em tempos de repensar o que Kant chamava de uso público e privado da razão. O problema não é o que dizer, mas onde e como. Suponhamos que a coluna da moça fosse mesmo humorística e seus leitores, acostumados com o tom, conseguissem se divertir com o texto. Tudo bem, certo? Hmmmm, não sei não. Costumo dizer que tudo ficaria muito chato se acorrentássemos o humor ao politicamente correto. Mas, de qualquer modo, nenhuma outra situação comunicativa expõe melhor nossos preconceitos do que nossas piadas. Veja:

Um negro rico, saindo em seu carro de luxo, viu, pichada no muro de sua mansão, a frase: “Aqui mora um negro”. Não se fez de rogado. Mandou que um empregado pichasse, embaixo, a frase: “Mas sou rico!”. No outro dia, ao sair, deparou-se com outra pichação: “Mas é pobre!”

Você pode contar esta “inocente” anedota em um churrasco inter-racial (e, veja, qualquer churrasco neste país, com mais de três pessoas presentes, será provavelmente inter-racial) e rir a vera, enquanto enche o copo de cerveja do seu amigo negro. É possível que o ensejo permita uma conversa amena sobre preconceito e tal, que quebre tensões (a diversidade social em que estamos inseridos pode colocar no mesmo ambiente um negro, um nordestino, um homossexual e um neo-nazista). Mas, duvido que, um milésimo de segundo antes da gargalhada geral, não reine uma sensação do tipo: iiiiih, fedeu!

Pois, foi assim com o texto da moça em questão. Depois, eu consegui até rir e me ver (pobre membro do proletariado), mas só depois do “Fala sério!”.

Eu acho que o sonho de muitos pobres é ter nódulos. O avanço da medicina – que me amedronta a cada dia porque eu não quero viver 120 anos  – conquistou o coração dos financeiramente prejudicados. É uma espécie de glamourização da doença. Faz o exame, espera o resultado, reza para que o nódulo não seja cancerígeno. Conta para a família inteira, mostra a cicatriz da cirurgia.

A moça errou a mão. Eu erro a mão. Você erra a mão. Ser engraçado é para poucos e em situações específicas. Ou estamos muito melindrosos? Hum?

Leia o texto e analise por si mesmo, se quiser aqui.

Je suis Charlie; Madame Bovary c’est moi; eu sou você…

Uma frase repetida à exaustão está sujeita a se esvaziar, a ir se esgarçando feito o tecido de uma bandeira esbatida. Assim, entre o noticiário e a refeição, você já está anestesiado para o apelo gasto e repetitivo e já se comove mais com o que falta em sua lista de compras.  Filtro de café, pelo-amor-de-deus!, e papel higiênico, como pode? Um não substitui o outro! Suas micro-tragédias parecem mais relevantes, a esta altura. E, depois da comoção inicial, você começa a aceder aos arautos da sabedoria: ora, liberdade de expressão não justifica a intolerância religiosa.

Eu, cá com meus botões, enquanto corto cebola usando técnicas avançadas anti-lacrimejamento, respiro fundo e resisto: não, a violência não produz legitimidade! Então, quem sou eu? De que lado eu estou? Não sei não, desconfio de que a medida da minha humanidade esteja na minha capacidade de ser o outro. Não um só, um único lado, mas o diverso. E não acabo de inaugurar ideia alguma. Jesus Cristo já havia apelado para a empatia: “quem dentre vós não tiver pecado algum”…

Gustave Flaubert, ao ser questionado sobre o escândalo provocado por sua personagem, que expunha a hipocrisia reinante na sociedade da época (da época???), disse, astutamente, ao tribunal: “Madame Bovary c’est moi” (Madame Bovary sou eu.) Convenceu o tribunal, mas não a sociedade, que não queria se ver no retrato cinza.

O que a personagem que deu início ao romance realista tem a ver com os atentados ao jornal francês, comigo e com você? É que eu sou Charlie, mas também sou o imigrante muçulmano, a minoria (religiosa, racial, sexual e o escambau!). Eu sou você. E, se você aceitar minha lógica, você sou eu. E nós somos Madame Bovary, personagens controversos, nem bons nem maus, apenas humanos e sujeitos a erros. Não iguais. Nunca. Deus me livre e guarde da chatice de um mundo homogeneizado! Mas, sei lá, capazes de andar do mesmo lado da rua sem supostas superioridades, sem agressão. Pode ser?

a gente morre todos os dias… mas se esquece

A gente morre quando acorda. Morre de tédio, de preguiça, morre de mesmice, ou não, como apregoaria Caetano Veloso, com aquela voz de fruta sumarenta e lenta degustada em algum recanto nordestino. Tem pessoas que já morreram faz tempo. E nunca desconfiaram disso. Morrem de medo de encarar o medo, de colocar a coragem debaixo de um braço e o medo apoiado no outro braço e prosseguir caminhando, como ressaltaria Brecht.*

Por aí se inicia este estupendo texto de Graça Taguti. Eu não teria nada a acrescentar a ele. Trouxe-o aqui para sua apreciação porque estivemos conversando sobre tristeza e morte (e eu sei que andei meio melancólica); sobre como, às vezes, querem nos impor uma cara alegrinha a contragosto, como uma máscara de gesso. Parece que a tristeza anda meio démodé. E não é ela que sufoca, meu bem, são as máscaras. Este texto fala das nossas mortes diárias, quase imperceptíveis, devidamente justificadas e disfarçadas. Eu vi alguns dos meus defuntos ali e, confesso, já cheiram mal. A morte mesmo, aquela em que meu sopro de vida se desprenderia deste corpo precário que já está pedindo penico, é menos dolorosa, pude perceber. Embora não tenha volta, como se sabe: é o único mal para o qual não há remédio. Ao menos, é definitiva, não se reitera interminavelmente, como estas outras:

A gente morre de frio e de mentiras. De amor escondido e expurgado pela covardia. De afeto enrijecido e estanque. Da flor não manifesta num discurso que se pretendia doce. (…)

Muita gente morre de silêncio. Não joga para fora as fecundas cirandas do coração. Morre de ódio, de inveja. E finge que estes sentimentos, tão descivilizados e deselegantes, pertencem somente aos outros. De soberba, arrogância e interjeições também se morre. E ainda quem deixa a paixão morrer no sexo e faz amor sem prazer. Como quem come uma sobremesa de nariz entupido.

*Leia a matéria completa em: A gente morre todos os dias. Mas se esquece e levanta – Geledés